"Economia moçambicana é estável", afirma Primeiro Ministro - Rádio Voz Coop

Últimas

Esta é a Rádio Comunitária "A Voz da Cooperativa". Notícias de Moçambique e do Mundo na nossa página. A melhor parte da comunicação social em Moçambique. As rádios comunitárias são oficialmente a melhor cobertura de mídia em Moçambique, cubrindo mais de 75% do território nacional.

ESTE ESPAÇO PODE SER SEU. LIGUE 826662220

"Economia moçambicana é estável", afirma Primeiro Ministro

O País regista estabilidade dos indicadores macroeconómicos. Esta informacão foi avançada hoje por Carlos Agostinho do Rosário Primeiro Ministro , na abertura da  IX SESSÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA.



"No mês de Fevereiro a inflaçao continua baixa e estável,  a média anual situou-se em 3.97%, contra 12.1% registados em igual período do ano passado, num momento em que o país continua a registar estabilidade dos indicadores macroeconómicos que se reflecte na recuperação gradual da nossa economia" disse do Rosário

O Primeiro Ministro acrescenta que o metical, continua estável no mercado cambial, apesar da pressão que nos últimos dias tem estado a sofrer como resultado, sobretudo do fortalecimento do dólar norte-americano no mercado internacional e do aumento da procura de divisas que é característica desta altura do ano para o pagamento de importações.  

Carlos Agostinho do Rosário frisou que as reservas em divisas mantém-se em níveis confortáveis, suficientes para cobrir sete meses de importação de bens e serviços necessários para assegurar o normal funcionamento da nossa economia.

Em contrapartida o  Banco de Moçambique disse que a inflação em 2019 no país poderá subir e fixar-se entre 6% e 7%, acima dos 3,5% nos finais de 2018. Segundo disse o banco de Moçambique, a inflação anual poderá manter-se estável em torno de 6% e 7% no último trimestre de 2019”.

“Depois de uma inflação de 3,5% em 2018, prevemos um esbatimento dos efeitos que influenciam o crescimento dos preços alimentares, fazendo a inflação chegar aos 6,6% este ano, o que impede o banco central de implementar mais estímulos”, disse Rogério Zandamela.

Sem comentários: