Munícipes preocupados com a travessia da ponte Maputo-KaTembe - Taxas das portagens no centro de atenções - Rádio Voz Coop

Breaking

Esta é a Rádio Comunitária "A Voz da Cooperativa". Notícias de Moçambique e do Mundo na nossa página. A melhor parte da comunicação social em Moçambique. As rádios comunitárias são oficialmente a melhor cobertura de mídia em Moçambique, cubrindo mais de 75% do território nacional.

ESTE ESPAÇO PODE SER SEU. LIGUE 826662220

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Munícipes preocupados com a travessia da ponte Maputo-KaTembe - Taxas das portagens no centro de atenções

O anúncio sobre a inauguração da Ponte Maputo-KaTembe a 10 de Novembro próximo, deixa espectantes os residentes da cidade de Maputo e de KaTembe, pois a travessia passa a ser facilitda, mas algo em volta desmorona a ansiedade de todos.

O Facto é o anúncio das taxas de portagem a vigorar para quem queira chegar a KaTembe usando sua vitória. As taxas das portagens variam de 160 à 1200 MT, valor considerado exorbitante pelos munícipes que falaram a nossa reportagem.
A construção deste projecto que apresenta um custo superior a 700 milhões de dólares a cargo da China Road and Bridge Corporation (CRBC), com coordenação do engenheiro Bai Pengyu, de acordo com a revista Macao, citado pela MacaHub. A ponte, que será a maior de vão suspenso em África, faz parte um de projecto mais vasto que engloba um conjunto de vias de acesso em ambas as margens e estradas, nomeadamente a que conduz à Ponta do Ouro, zona balnear junto à fronteira com a província do Natal, na África do Sul, com uma extensão de 170 quilómetros.


O engenheiro Bai Pengyu disse à revista Macao que a ponte irá permitir que se dê início ao desenvolvimento da zona da Catembe, nomeadamente para fins comerciais e habitacionais, contornando o problema da falta de espaço para mais construções na cidade capital.
A construção da ponte representa também, de acordo com Bai Pengyu, um exemplo do papel desempenhado pelas empresas chinesas na transferência de conhecimentos para o país onde estão a operar, através da decisão de envolver não só técnicos locais, mas também estudantes, nomeadamente das faculdades de engenharia.
Além da ponte Maputo/Catembe, a CRBC tem a seu cargo a construção da Estrada Circular de Maputo e de uma outra na província do Niassa, com financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento, que vai até à fronteira com o Malaui.
Enviar um comentário