Fórum Nacional das Rádios Comunitárias debate a criminalização do casamento prematuro - Rádio Voz Coop

Breaking

Esta é a Rádio Comunitária "A Voz da Cooperativa". Notícias de Moçambique e do Mundo na nossa página. A melhor parte da comunicação social em Moçambique. As rádios comunitárias são oficialmente a melhor cobertura de mídia em Moçambique, cubrindo mais de 75% do território nacional.

ESTE ESPAÇO PODE SER SEU. LIGUE 826662220

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias debate a criminalização do casamento prematuro

O Fórum Nacional das Rádios Comunitárias em parceria com Fanelo Ya Mina, organizou na manhã desta terça-feira em Maputo, uma mesa redonda com objectivo de debater com parceiros estratégicos a criminalização do casamento prematuro.


O evento contou com a presença dos representantes da DIAKONIA, CEPSA, Assembleia Municipal da Matola e diversas organizações da sociedade civil moçambicana, com destaque para a Assembleia Provincial, como parte integrante e convocada a dar seu contributo para eliminação do casamento prematuro, que segundo os organizadores da mesa redonda há que sair da sensibilização para a criminalização dos infractores e ou promotores deste mal que enferma nossa sociedade.  

João Matola Presidente da Assembleia Provincial, disse que a eliminação do casamento prematuro em Moçambique requere acções concertadas a todos níveis e com envolvimento de todos actores da sociedade. ´´Só assim vamos reduzir e eliminar a prevalência dos casamentos prematuros, fortalecendo o quadro político legal nacional de protecção da criança em Moçambique``, disse João Matola, lembrando que o destaque vai para a protecção da rapariga contra todas formas de violência pelo que urge qualificar o casamento prematuro como crime.
Por outro lado segundo Ferosa Chaúque, Directora Executiva do Fórum Nacional das Rádios Comunitárias, o encontro serviu muito para incutir a intenção das organizações da sociedade civil e rádios comunitárias aos parlamentares municipais e provinciais sobre a urgência de passar o problema de casamentos prematuros para o crime e não terminar apenas em sensibilização.
Segundo a Ferosa, o debate também serviu para trazer reflexões aplausíveis que vão servir para alimentação do projecto da Lei ora em processo de revisão, pois o casamentos prematuro nas raparigas  é nefasto, afecta a sua permanência e a conclusão do sistema educativo, comprometendo deste modo o futuro e a sua sobrevivência na sociedade.
Enviar um comentário