Espanha está envolvida no caso 170 MILHÕES DO FDA - Rádio Voz Coop

Últimas

Esta é a Rádio Comunitária "A Voz da Cooperativa". Notícias de Moçambique e do Mundo na nossa página. A melhor parte da comunicação social em Moçambique. As rádios comunitárias são oficialmente a melhor cobertura de mídia em Moçambique, cubrindo mais de 75% do território nacional.

ESTE ESPAÇO PODE SER SEU. LIGUE 826662220

Espanha está envolvida no caso 170 MILHÕES DO FDA

Os esquemas de fraude da qual foram retirados 170 milhões de meticais (2,777,774.16 dólares norte-americanos) dos cofres do Fundo de Desenvolvimento Agrário (FDA) passaram pelo Reino da Espanha, onde foram pagas comissões chorudas a um membro da direcção por ter viabilizado um negócio a favor de uma empresa deste país europeu, segundo a acusação do Gabinete central de combate à corrupção (GCCC) a que o “Notícias” teve acesso.



Em 2015, segundo a acusação do processo com 28 arguidos e que começa a ser julgado no próximo dia 12, o FDA celebrou um contrato com uma firma espanhola denominada RAESA, com vista ao fornecimento de equipamento de rega, num montante global de 32.928.924,60MT (1 USD = 61.2001). Em representação do FDA, segundo o documento na posse do jornal, assinou e conduziu o processo, que culminou com o contrato, a co-arguida Neide Xerinda, na altura dos factos directora adjunta do FDA, em representação da ex-PCA, Setina Titosse.

A 19 de Novembro de 2015, a RAESA transferiu o equivalente a 4.201.175,00 MT para a conta da OBSIDO, Lda, uma empresa na qual Neide Xerinda detinha 90 por cento das acções e o seu irmão e co-réu neste processo, Tomás Xerinda, os restantes 10.

A arguida Neide Xerinda orientou a firma espanhola a encaminhar o valor para a conta da OBSIDO, como forma de ocultar o indicado pagamento.

O valor foi uma gratificação em virtude de a arguida ter conduzido o processo de contratação da empresa espanhola, até porque foi por ajuste directo. Parte da quantia em causa foi usada para a construção do imóvel detido pela arguida, na cidade de Maputo, e que se encontra apreendido pela Justiça.

Por outro lado, a acusação aponta a empresa KcI-Investimentos, Lda, que se dedica à comercialização de sementes e outros insumos agrícolas, como uma das que foi usada para drenar fundos e que deram lugar à fraude. Com efeito, o arguido Francisco Chilengue, proprietário e representante da referida KcI, como forma de garantir que a sua empresa continuasse a ser contratada, foi ao longo do tempo, por solicitação das arguidas Setina Titosse e Neide Xerinda, as presenteando com somas monetárias. O visado viria a perder a vida no dia 27/09/2016, no decurso da investigação desta fraude.

Entretanto, a 12/08/2014, mediante orientação da arguida Setina Titosse, o finado Francisco Chilengue transferiu para a conta da co-arguida Milda Cossa, domiciliada no BcI, um valor de 6.500.000,00MT.

A 29 de Agosto de 2014, mediante nova orientação da arguida Setina, transferiu 3.500.000,00MT para a conta de Gerson Manganhe, sob gestão nessa altura da arguida Milda cossa, sua irmã. Desta feita e sob orientação da arguida Neide Xerinda, o finado transferiu a 13 de Outubro de 2014, para a conta nº 1183695471007, domiciliada no Standard Bank e titulada por Tomás Xerinda (irmão de Neide Xerinda), um montante de 2.000.000,00MT. Tal quantia destinada à arguida Neide era gratificação, em virtude de haver facilitado a contratação da KcI pelo FDA.

FONTE:AIM

Sem comentários: