178 milhões desviados do Fundo de Desenvolvimento Agrário - Rádio Voz Coop

Últimas

Esta é a Rádio Comunitária "A Voz da Cooperativa". Notícias de Moçambique e do Mundo na nossa página. A melhor parte da comunicação social em Moçambique. As rádios comunitárias são oficialmente a melhor cobertura de mídia em Moçambique, cubrindo mais de 75% do território nacional.

ESTE ESPAÇO PODE SER SEU. LIGUE 826662220

178 milhões desviados do Fundo de Desenvolvimento Agrário

Cerca de 178 minhões de meticais é o valor desviado do Fundo de Desenvolvimento Agrário, delegação da cidade de Maputo. Esta informação foi tornada pública pelo Gabinete Central de Combate a Corrupção, que também explicou já estarem a contas com a justiça 28 co-réus, que em 2 anos sacaram  em mais de 30 transações bancárias fraudulentas, dinheiro do Fundo de Desenvolvimento Agrário na cidade de Maputo.



Ao todo contabiliza-se 40 contas bancárias usadas no rombo dos 178 milhões de meticais. As contas mencionadas foram usadas para distribuir o dinheiro conseguido ilicitamente entre os membros da rede e outros beneficiários, como entidades onde foram adquiridos diversos bens.
Neste processo, o Gabinete Central de Combate a Corrupção, aponta a arguida Milda Cossa, como tendo sido a chave para o sucesso do rombo, visto que da sua conta passou grande parte dos fundos desviados que ascendem os 56 milhões de meticais, embora a mentora seja antiga presidente do Conselho de Administração do Fundo de Desenvolvimento Agrário, Setina Titosse. Segundo Milda Cossa, teria usado a conta titulada por um dos seus irmãos como alternativa para recepção dos fundos da fraude, na perspectiva de ocultar a proveniência criminosa dos mesmos, onde foram depositados aproximadamente 17 milhões de meticais. O GCCC, indica que, pelo menos, 10 empresas são referenciadas na acusação, como tendo sido usadas pelos co-réus para drenar parte do dinheiro da fraude. 
Refira-se que, muitas destas empresas têm como vocação a área comercial, mas receberam o financiamento ilícito sob justificativa de crialção de gado, tudo no âmbito do esquema, que inclui 20 projectos fictícias de pequenas e médias empresas com fim de criação de gado bovino nos distritos de Guijá, Chibuto e Mandlakazi na província de Gaza, Namaacha em Maputo e Morrumbene em Inhambane. O projecto mais caro está avaliado em mais de 12 milhões de Meticais, cujos montantes foram pagos em duas tranches de pouco mais de seis milhões de meticais cada.

Sem comentários: