Desvio de fundos em Inhambane - Secretário permanente explica

O Secretário Permanente (SP) do Governo de Vilankulo deverá explicar hoje ao Tribunal Judicial daquele distrito o paradeiro de 165 mil meticais transferidos por três funcionários da secretaria distrital para uma conta de uma pessoa estranha aos serviços.
Image result for educacao inclusdesvio de fundos em inhambane

Segundo escreve o Notícias três funcionários, por sinal bolseiros que receberam o dinheiro transferido pelo chefe da Repartição de Finanças, disseram no primeiro dia de julgamento terem transferido essa quantia, sendo 55 mil meticais cada um, para essa conta por indicação do chefe de repartição que, por sua vez, afirmou que recebera orientação do secretário permanente para este procedimento.

A notificação do secretário permanente como declarante foi requerida pela defesa do chefe da secretaria depois de referenciar o seu nome. A defesa pretende com depoimentos do SP dissipar dúvidas sobre os verdadeiros beneficiários deste valor, que pelos vistos não serviu os interesses da instituição.

Não obstante, o chefe da Repartição de Finanças ter esclarecido ao tribunal que o valor (165 mil meticais) transferido pelos bolseiros serviu para pagar algumas despesas da instituição, nomeadamente ajudas de custos do ajudante de campo do administrador, combustível e outros consumíveis da instituição, o Ministério Público que instruiu o respectivo processo encontra equívocos quanto aos critérios da execução orçamental, pelo facto de o valor ter saído dos cofres do Estado para contas dos três funcionários e estes, por sua vez, devolverem para uma outra pessoa sem vínculo com a secretaria distrital, muito menos com o Governo do distrito.

O Tribunal Judicial de Vilankulo está a julgar desde semana passada um caso de desvio de fundos no governo distrital, envolvendo um grupo de cinco pessoas, nomeadamente o chefe da Repartição de Finanças, três bolseiros e uma outra pessoa cuja conta foi usada para drenar cerca de 165 mil meticais, transferidos das contas dos três bolseiros que, na altura dos factos, se encontravam na cidade de Maputo em missão de serviço.
Enviar um comentário
Com tecnologia do Blogger.