´´Chapa 100`` ainda não pode subir de preço


Não será agora que os transportes públicos na cidade e província de Maputo vão ficar mais caros, mas a verdade é que o agravamento das actuais tarifas de 7 e 9 meticais para 12 e 15 meticais é irreversível. O aumento está acordado entre o Governo e a Federação Moçambicana das Associações de Transportes (FEMATRO) há vários meses e deve entrar em vigor ainda antes do fim do ano, assim que novos autocarros e comboios metropolitanos chegarem à capital moçambicana. 




Entretanto o subsídio pago em dinheiro pelo Executivo à FEMATRO, e que em Abril supostamente foi redireccionado para a compra de 300 novos autocarros, continua a ser entregue aos transportadores privados. O drama da falta de transportes públicos em Maputo, Matola e Boane não tem data prevista para acabar. Com a evidente a incapacidade das empresas públicas/municipais de transportes a solução encontrada pelo Governo foi de novas parcerias com os transportadores privados. Na sequência das negociações que aconteceram durante o primeiro trimestre de 2017 o Governo e a FEMATRO acordaram suspender o subsídio em dinheiro que é dado como compensação ao aumento do preço do gasóleo, e que todos concordam não ser eficiente, e usar essa verba para a aquisição de novos autocarros. Foi também acordado que a tarifa em vigor desde 2012, de 7 e 9 meticais, para distâncias até 10Km e 20Km, respectivamente, seria reajustada para 12 e 15 meticais para que o negócio voltasse a ser atractivo para os privados.

O @verdade explica mais sobre o caso: @verdade
Enviar um comentário
Com tecnologia do Blogger.